O que aprendi sobre liderança com “O Monge e o Executivo”

Tempo de leitura: 6 minutos

A liderança convencional tem vários estilos: carismática, democrática ou ainda autocrática. Mas existe um tipo de liderança ainda mais interessante: a liderança servidora.

Essa ideia foi abordada no best-seller “O monge e o executivo – uma história sobre a essência da liderança”, de James C. Hunter.

No livro, Leonard Hoffman é um famoso empresário que abandona sua carreira brilhante para se tornar um monge, algo estranho aos olhos da sociedade.

Por meio dos personagens e discussões, o autor mostra que ainda hoje existe um modelo de liderança baseado na figura de Jesus Cristo. Por meio de pequenas histórias, as parábolas, Jesus provocava reflexões profundas em seus discípulos. Com elas, ensinava a importância da superação e do cumprimento de tarefas.

Quando merecido, Jesus fazias elogios a seus discípulos, mas quando necessário para, sabia repreendê-los, mostrando que a autoridade também é importante. Muitos anos após a sua morte, esse líder continua influenciando milhões de pessoas.

Estar disponível para contribuir com as necessidades das pessoas e mostrar autoridade é a essência da liderança servidora. No livro, autor mostra que esse conceito não é algo inventado e nem mais um modismo do mundo dos negócios.

Mas em um mundo corporativo mais competitivo e com uma busca frequente por bons resultados, como desenvolver esse estilo de liderança que visa servir a empresa e os colaboradores com excelência?

O livro “Manual para Líderes – os princípios para formas equipes competentes”, nos mostra a chave para alcançar essa competência. Nele, o autor Suryavan Solar, fundador da Organização Internacional Condor Blanco, diz que a essência da liderança são as pessoas e a equipe. Não existe crescimento empresarial sem expansão do potencial humano.

Por isso, o líder precisa influenciar, despertar, nutrir aqueles com quem trabalha. E isso tem tudo a ver com liderança servidora: despertar o potencial é servir, apoiar, reconhecer habilidades e competências e desenvolver-se em benefício do grupo.

A ferramenta para colocar essa ideia em ação está dentro de cada um. Ninguém é capaz de liderar o outro se não liderar a si mesmo. E para isso, é preciso se conhecer.

“O monge e o executivo” é um livro que ajuda na aplicação dos princípios de liderança a partir do autoconhecimento. Vou apresentar alguns pontos que o autor coloca que considero fundamentais no processo de aprendizagem da liderança servidora. Desejo que sirvam para você ajustar o leme do seu barco nessa direção.

Não existe líder sem caráter

Desenvolver a liderança e construir o caráter, de acordo com o autor, são a mesma coisa e para alcançar um, é preciso trabalhar o outro.

Um líder que quer se reinventar tem que estar disposto a receber críticas que podem causar angústia. Só assim é possível identificar o que preciso mudar para ser um líder melhor.
As características mais valorizadas são aquelas encontradas nos grandes livros como a Ética de Aristóteles, o Corão ou as máximas de Confúcio como integridade, respeito, paciência, autocontrole, honestidade, coragem e dedicação.

Conhecendo sua situação atual, é necessário estar disposto a assumir os riscos para se tornar um líder eficaz e servidor.

Para ser grande, seja humilde

Humildade é a demonstração da ausência de orgulho, arrogância ou pretensão; é um comportamento autêntico. Os grandes líderes incorporam uma mistura de humildade pessoal com vontade profissional. São ambiciosos em primeiro lugar pela empresa, em segundo por eles próprios.

Respeito: combustível para o desenvolvimento

Todo líder tem a responsabilidade de oferecer um ambiente saudável para seus colaboradores. Respeitar, fazer elogios sinceros e específicos, reconhecer as realizações e recompensar os excelentes mostra que o líder está interessado nas pessoas e não apenas no que elas podem fazer pela empresa.

Delegar responsabilidades aos colegas de trabalho de acordo com suas habilidades e competências também é respeitá-los. Essa é a forma de incentivá-las a crescerem e se desenvolverem. Ajudar cada integrante de sua equipe a ser bem sucedido é uma das principais funções do líder.

Antes de você, eles

Liderar é atender as necessidades dos outros antes mesmo das suas. Quantas vezes ouvimos alguém dizer que está cheio de serviço e não pode atender agora? Para criar um ambiente de colaboração e eficiência, é necessário demonstrar que você se preocupa com outro e está ali para ajudá-lo.

Saber a hora de deixar pra lá

Diversas situações no processo de liderança podem causar ressentimento. Um colaborador que não atendeu às expectativas, cometeu um erro ou não gostou de algum feedback.
Nessas horas, a liderança exige perdão. E perdoar significa comunicar como o comportamento das pessoas o afetou de forma madura e abandonar qualquer mágoa.
Confiança é solidez

Muitos executivos falam em confiança, mas suas ações e convicções revelam o contrário, não há congruência. Um bom líder servidor age com honestidade. Ele é verdadeiro consigo mesmo e com os outros. E assim, consegue a confiança dos outros.
Sem confiança, uma organização é um castelo de cartas: qualquer instabilidade faz a empresa ruir.

Assuma a responsabilidade de ser exemplo

Os melhores líderes são aqueles que cumprem os compromissos assumidos. Não seria possível pedir aos outros que se fossem os melhores se eles próprios não assumissem esse compromisso. Líderes devem dar o exemplo.

Por fim, liderar significa conquistar as pessoas, envolvê-las de forma que coloquem seu coração, sua mente, seu corpo, criatividade e excelência a serviço de um objetivo comum.
Se você acredita que ainda está longe de ser um líder servidor, saiba que esta é uma habilidade, ou seja, uma capacidade que é adquirida com a prática. Todos podemos melhorar nossas habilidades em qualquer atividade, basta ter vontade, motivação e disciplina.
Enquanto você desenvolve a habilidade da liderança servidora, aproveite as lições que o autor do livro aprendeu com as empresas bem sucedidas onde trabalhou por muitos anos:

– Seja muito exigente com as pessoas que contrata desde o momento da seleção;
– Treine adequadamente os novos contratados;
– Encontre meios de fazer com que o trabalho das pessoas seja mais desafiador, interessante e satisfatório;
– Remunere os seus profissionais de forma justa e com meritocracia;
– Exija excelência e responsabilidade, especialmente de seus líderes;
– Insista na melhoria contínua de seu pessoal e também na sua;
– Reconheça e recompense as realizações espontaneamente;
– Respeite todas pessoas;
– Identifique, desenvolva e invista em seus líderes;
– Valorize o ambiente de trabalho;
– Procure as melhores práticas e implemente-as;
– Leve a tomada de decisão até o nível mais baixo da organização;
– Treine bem as equipes e ajude-as a desenvolver novas habilidades;
– Seja honesto e exija honestidade total, nas boas e nas más notícias;
– Respeite o equilíbrio entre trabalho e vida particular, seu e dos colaboradores;

Você já aplica as práticas da liderança servidora na sua empresa? Conte sua experiência nos comentários.

5.00 avg. rating (100% score) - 4 votes
  • Silvana Yaminasi

    Sensacional Ana, Obrigada!

  • Renato Cardoso Yaramo

    Show de Bola Ana Mayarim, Grande Consultoria!!!

  • A verdade doi

    mais do mesmo